A fantástica fábrica de sonhos

Luiz e Raphael de França em 15 de junho de 2015 - 14:00 em França ao Quadrado
  
  

França ao Quadrado - Luiz e Raphael de França

Alô, alô família e amigos do rádio.

Se já não bastasse a família França no rádio, agora estamos nas ondas da web. Com muita alegria fomos convidados para este espaço no portal Rádio de Verdade. Nós acompanhamos o crescimento do site e o trabalho incansável do Michel Menaei e do Sergio Solon Santos, por isso, podemos atestar a credibilidade e a seriedade dessa marca.

Dadas as apresentações, vamos falar um pouquinho dessa nossa caixinha mágica e de como essa fábrica de sonhos marca a história da família França.

Nos perdoem se em momentos misturamos primeira e terceira pessoa, pois os dois são do rádio e as ideias e palavras saem mais rápido que as letras.

Pra quem não sabe, nossa história não começa com Luiz De França – e pra começar nem Luiz De França era – e sim “Carneiro Malta”, nome usado em Barbacena no comecinho da carreira. O “patriarca” do rádio em nossas veias é o saudoso Wilson Carneiro Malta (tio do Luiz e tio-bisavô do Rapha) dono da PRD3 Rádio Difusora de Petrópolis, uma das mais importantes emissoras do Rio entre as décadas de 40 e 70. A PRD3 foi uma potência e lançou nomes geniais do rádio como: Alfredo Raymundo (nosso pai no rádio, mas isso é história para outras colunas), José Cláudio Barbedo – o famoso FORMIGA, Gilson Ricardo, Sérgio Loureiro, entre tantos outros.

Foi através da Difusora que Luiz De França, então franzino e com pouco mais de 20 anos, empunhou o primeiro microfone nas bandas do Rio de Janeiro.

Já deu pra perceber que essa paixão é de berço pra gente, não é? Como o França AVÔ costuma brincar: “não nascemos, fomos sintonizados”.

Luiz De França era uma voz potente e já conhecida em sua cidade Barbacena quando foi trazido por Alfredo Raymundo e Benjamin Carneiro Malta (tio do Luiz e irmão de Wilson Carneiro Malta), mas a transferência não foi fácil. Aquele “rapaz” que sonhava conhecer o mundo e pilotar avião, teve que mostrar seu potencial ao poderoso “Tio Wilson” e Alfredo e Benjamin tiveram que se responsabilizar pelo “novato”. Wilson, muito rígido, garantiu: “na primeira besteira, vocês levam ele de volta”…

Por que um pouquinho dessa história? Para que vocês entendam e imaginem como esse veículo é parte fundamental da nossa vida. Não existe uma passagem sequer onde o rádio não esteja conosco… Nos bons e maus momentos. Nos sorrisos e lágrimas.

Enfim, a fantástica fábrica de sonhos nos permitiu, e nos permite trabalhar com aquilo que amamos, perpetuar (e se Deus quiser muitas gerações ainda vem por aí) o nome da família pelas ondas curtas, médias, AM, FM e acima de tudo: conversar e comunicar para um Brasil de audiência.

Queremos contar muitas histórias por aqui, comentar alguns acontecimentos importantes e também mostrar que o rádio se reinventa e se renova a cada segundo.

São duas gerações do rádio, dois homens do rádio, duas vidas à serviço do rádio, dois profissionais fazendo Rádio de Verdade.

Qual a sua opinião?