Ana Maria Badaró fala sobre a TV Manchete

Tesão e profissionalismo
Gabriel Gontijo em 18 de agosto de 2015 - 14:03 em Áudios, Notícias, TV
  
  
Ana Maria Badaró, TV Manchete

Ana Maria Badaró (Foto: Divulgação)

O Rádio de Verdade compareceu ao encontro de ex-funcionários da TV Manchete organizado por Luiz Santoro em um restaurante no Catete. Falamos com alguns profissionais sobre as histórias da emissora da Rua do Russel. Acompanhem abaixo o papo que batemos com Ana Maria Badaró, repórter de economia e apresentadora do canal.

Rádio de Verdade: O quanto a Manchete te marcou?
Ana Maria Badaró: Ah, muito, muito. Eu não consigo pensar na minha vida nem passada nem futura sem a Manchete porque realmente foi um marco muito grande na minha vida e na minha carreira. Primeiro porque na Manchete eu descobri um outra maneira de fazer jornalismo que era televisão. E descobri também que o jornalismo que eu mais amo fazer é televisão e rádio. São mais ou menos irmãos, né? E lá eu tive a aoportunidade de fazer muita coisa. De começar bem do comecinho mesmo fazendo reportagens, fazendo reportagens de economia para a televisão, porque eu vinha já de uma editoria de economia de jornal, e era uma coisa que não se usava muito pra fazer reportagem de economia porque você não tem muita imagem pra cobrir, né? Porque você fica falando muito texto, texto, texto, número, número, número. E a Manchete foi uma das precursoras disso. E eu pude fazer também apresentação de telejornal, que foi uma outra coisa que eu descobri. Uma outra face da minha vida profissional que eu acabei descobrindo. Enfim, fiz grandes amigos lá e a gente leva esses amigos bem lá no fundo do coração. E acho que a Mnchete criou uma história na história da televisão brasileira. É uma pena que ela tenha sido vítima de má gestão porque eu acho que profissionalismo, carisma e vontade de fazer as pessoas tinham, o seu quadro de profissionais tinha. Tanto que essas pessoas estão aqui nessa festa e esta é uma prova de que as pessoas gostavam do que faziam e de quanto as pessoas se gostavam também.

Rádio de Verdade: Uma das comentaristas de economia era a Denise Campos de Toledo e a Manchete tinha uma coisa muito interessante na programação, que hoje não se tem mais, de inserções onde se colocavam a cotação do dólar, o grama do ouro, o rendimento mensal da caderneta de poupança e etc. Como que vocês conseguiram simplificar uma linguagem tão complexa que é a do jornalismo de economia?
Ana Maria Badaró: Acho que pensando simplificadamente. Se você pensar simplificadamente, acho que é possível você explicar qualquer coisa, né? E de uma certa maneira você também colabora paradesmistificar estas linguagens, estas castas vamos dizer assim, fechadas de economia. E eu acho que hoje, isso já não existe mais não. Eu acho que as pessoas já sabem exatamente o que que é superávit, o que que é déficit, porque cada um vive sso na sua própria vida, mas a mídia também tem uma dose de responsabilidade nisso, né? De fazer um jornalismo mais claro, um jornalismo que explique, um jornalismo que não afugente o leitor nem o telespectador.

Rádio de Verdade: Se você tivesse que definir a Rede Manchete em uma palavra, qual palavra seria?
Ana Maria Badaró: Tesão e profissionalismo.

Ouça abaixo a entrevista:

Qual a sua opinião?