Acerj responde ao Rádio de Verdade sobre a carteirinha de Edmundo

Redação em 12 de maio de 2010 - 17:15 em Notícias
  
  

Anteontem publicamos um post informando que a Acerj negou registro para o ex-jogador/comentarista Edmundo. (veja o post aqui)

Entramos em contato com a instituição que nos respondeu o seguinte:

“Desde que assumimos a ACERJ, em Maio de 2008, nossa Diretoria se empenhou em fazer valer o Estatuto da Entidade. Este reza, em seu artigo terceiro:

Toda pessoa maior de 18 anos, de qualquer nacionalidade, sexo, estado civil, religião ou credo político, poderá associar-se a ACERJ, desde que prove ser jornalista ou radialista esportivo, registrado no Ministério do Trabalho ou outro órgão governamental que venha a substituí-lo.

Assim sendo, estamos apenas fazendo cumprir o Estatuto, pois Edmundo Alves de Souza Neto não apresentou registro de jornalista ou radialista. Ele não está impedido de comentar os jogos pela TV Bandeirantes, mas não atende aos requisitos para ser sócio da ACERJ.

Vale esclarecer, quanto aos outros nomes citados (Júnior e Paulo Roberto Falcão), que são sócios antigos, anteriores à nossa entrada na Associação. Se foram admitidos, é porque atenderam às exigências da época. Caio e Casagrande (TV Globo) não são sócios da ACERJ.

Ao dispor de todos,

Eraldo Leite”

*Eraldo Leite é presidente da ACERJ e  jornalista do Sistema Globo de Rádio

O site RÁDIO DE VERDADE respeita e faz questão de explicar o critério adotado pela Acerj e agradece à resposta dada ao nosso veículo e lembra que este estatuto é datado de 4 de fevereiro de 1999. O site também lembra que em seu Art. 3º, também é prevista a emissão de carteirinhas de aspirante conforme escrito:” Os estudantes das faculdades de jornalismo e os estagiários de qualquer órgão de imprensa do Rio de Janeiro também poderão ser admitidos, de acordo com o presente estatuto. Para isso, o interessado preencherá a proposta padronizada fornecida pela entidade, e, cumprindo os itens necessários, será encaminhada à diretoria pela Comissão de Sindicância que decidirá pela sua aprovação”.

Qual a sua opinião?